Direito

TCE DIZ TER ALERTADO PREFEITURA EM RELATÓRIO DE 2008 SOBRE EXCESSO DE FUNÇÕES DE EX-TESOUREIRA ÉRICA

Sobre o caso da ex-tesoureira Érica, o TCE diz ter alertado a Prefeitura no relatório referente às contas de 2006, elaborado e divulgado, provavelmente, em 2008. Para o TCE, as fraudes perpetradas por Érica só foram possíveis porque ela desempenhava mais de uma função. Eis o trecho:

TCE DIZ TER ALERTADO PREFEITURA EM RELATÓRIO DE 2008 SOBRE EXCESSO DE FUNÇÕES DE EX-TESOUREIRA ÉRICA

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) divulgou o relatório sobre as contas do prefeito Flávio Prandi, relativas ao exercício de 2018, que receberam parecer desfavorável, ou seja, foram desaprovadas pelo órgão. O documento aponta várias falhas da administração municipal.

Uma dessas falhas diz que, em janeiro de 2018, a administração promoveu irregularmente um servidor municipal ao cargo de diretor de divisão. Depois de ocupar o cargo durante dois anos, por designação, o servidor foi promovido com base na lei municipal 247/2015.

Ocorre que, de acordo com a citada lei, o servidor só poderia ser promovido depois de cinco anos no cargo para o qual foi designado. “Em suma, considerando os fatos apurados pela fiscalização, tem-se que a promoção concedida ao servidor JPG não possui amparo legal, sendo pois, irregular”, diz o relatório.

Sobre o caso da ex-tesoureira Érica, o TCE diz ter alertado a Prefeitura no relatório referente às contas de 2006, elaborado e divulgado, provavelmente, em 2008. Para o TCE, as fraudes perpetradas por Érica só foram possíveis porque ela desempenhava mais de uma função. Eis o trecho:

“Como bem destacou a fiscalização, a fraude somente foi possível em virtude da elevada concentração de atribuições, incompatíveis entre si, pela ex-tesoureira, ressaltando que essa questão já foi objeto de questionamento por parte da Fiscalização já no exercício de 2006, sendo citado inclusive o nome da Sra. Erica, que já naquele exercício realizava as emissões de cheques e as conciliações bancárias”.

O TCE garante, ainda, ter alertado a Prefeitura sobre desacertos na Tesouraria, em 2010 e 2017, após constatar inconsistências entre o Boletim Diário de Caixa e os extratos bancários, além da existência de contas bancárias que não constavam da contabilidade oficial.

Da mesma forma, o relatório garante que a atuação falha do Controle Interno do Município facilitou os malfeitos cometidos por Érica. “Um Controle Interno adequadamente estruturado e operacional poderia ter combativo a corrupção que se instalou no Município de Jales”, ressalta o relatório.

Além de dizer que alertou a Prefeitura sobre falhas que possibilitaram à ex-tesoureira desfalcar os combalidos cofres municipais em mais de R$ 9 milhões e de apontar a promoção irregular de um servidor, o relatório do TCE ressalta, entre outras coisas, que pelo menos um médico não estava cumprindo integralmente a jornada de trabalho, em 2018.


Mais notícias sobre Direito

Direito

Votuporanga - Juiz concede Liminar para Isenção de IPVA a portador de Deficiência Física.

Depois de dar um tiro no pé, com a retirada de Isenção do ICMS em produtos...


Direito

TJ-SP MANDA YOUTUBE RETIRAR DO AR VÍDEO CONTRA O DEPUTADO FAUSTO PINATO

O desembargador Álvaro Passos, da 2ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de...


Direito

Juízes da região isentam IPVA de veículo de PCD não adaptado

Duas liminares concedidas pela Justiça em Rio Preto e Votuporanga isentaram dois...

Direito

FARRA NO TESOURO: JUSTIÇA ACEITA DENÚNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO CASO DA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE VEÍCULOS

Em decisão publicada ontem, 08, o juiz da 1ª Vara Cível de Jales, José...