Geral

PF prende oito servidores do INSS acusados de fraudar 1.975 pensões

Prejuízo aos cofres públicos é de R$ 55,8 milhões. Alvos estão no Piauí, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Sergipe, Paraíba e Tocantins

PF prende oito servidores do INSS acusados de fraudar 1.975 pensões

Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira (9/11), a Operação Bússola. O alvo é uma organização criminosa especializada em fraudar benefícios de aposentadoria por idade rural, mediante a falsificação e o uso de documentos públicos. Entre os investigados com prisão decretada, estão oito servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), 17 advogados e 14 intermediários dos estados do Piauí e Maranhão.

No decorrer das investigações, foram identificados 1.975 benefícios de aposentadoria por idade rural com indícios de fraude, os quais já causaram um prejuízo efetivo ao INSS de R$ 55,8 milhões. Os valores já foram sacados pelo bando.

A operação policial decorre de investigação que teve início no ano passado e foi desenvolvida no âmbito da Força-tarefa Previdenciária e Trabalhista no estado do Piauí, integrada pela Polícia Federal (PF/MJ) e pela Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista da Secretaria Executiva do Ministério do Trabalho e Previdência (CGINT/MTP).

Foram mobilizados mais de 200 policiais federais dos estados do Piauí, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Sergipe, Paraíba e Tocantins.

Estão sendo cumpridos 96 mandados judiciais, sendo 16 de prisão preventiva, 23 de prisão temporária e 57 de busca e apreensão nos municípios de Teresina/PI, Luzilândia/PI, Demerval Lobão/PI, Santo Antônio dos Milagres/PI, Timon/MA, Caxias/MA, Presidente Dutra/MA, Parnarama/MA, Codó/MA, Anapurus/MA e São João do Sóter/MA, todos expedidos pelo Juízo da 1ª Vara Federal de Teresina/PI.

A Justiça Federal também determinou o bloqueio das contas dos presos e a suspensão do exercício da função pública para os servidores do INSS.

Durante todo o dia, os presos serão interrogados por delegados de Polícia Federal na Superintendência da Polícia Federal em Teresina e, posteriormente, serão encaminhados para um dos presídios da capital, onde ficarão custodiados à disposição da Justiça.

A Justiça Federal também determinou a imediata suspensão de 160 benefícios concedidos a pessoas fictícias (existentes apenas no papel) e a revisão de 1.975 benefícios com indícios de fraude, medida que evitará um prejuízo futuro estimado em R$ 623 milhões de reais.

O nome da Operação Bússola é uma alusão ao direcionamento indevido dos requerimentos de benefícios protocolados pelos advogados/intermediários aos servidores concessores do grupo criminoso.


RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP!
Receba gratuitamente uma seleção com as principais notícias do dia.


Mais notícias sobre Geral

Geral

Em decisão inédita, OAB SP exclui advogado de seus quadros devido à prática de racismo

São Paulo, 3 de dezembro de 2021.   Pela primeira vez na...


Geral

Após casos de ômicron, Governo de SP decide manter exigência de máscara em espaços abertos

O Governador João Doria decidiu nesta quinta-feira (2) atender recomendação...


Geral

Artesp convoca empresas para assumirem linhas intermunicipais na região de Jales (SP)

Solicitação da Transrápido São Francisco, atual...

Geral

Estado de São Paulo confirma 3º caso da variante Ômicron

A Secretaria de Estado de São Paulo confirmou, nesta quarta-feira (1), o terceiro caso da...