Cidades

Jales registra 110ª morte por Covid, amigos homenageiam moradora

Lamentamos informar o 110º óbito em decorrência da Covid em nosso município.

Jales registra 110ª morte por Covid, amigos homenageiam moradora

A Prefeitura de Jales informa que a Vigilância Epidemiológica registrou 58 notificações de casos suspeitos para a Covid-19 (Coronavírus), em Jales. Entre estes casos ou os notificados anteriormente e que aguardam resultados de exames, 20 testaram como negativo, 44 foram descartados por critérios clínicos e outros 24 tiveram resultados positivo. 

Os casos positivos foram diagnosticados em: uma adolescente de 13 anos; mulheres de 22, 26, 27, 29, 30, 31, 38, 49 e 51 anos; homens de 21, 29, 30, 31 (dois), 36 (dois), 39, 43, 44, 47, 54, 79 e 80 anos.

As unidades notificadoras dos casos confirmados são: Núcleo Central de Saúde (05), Novo Mundo (04), Roque Viola (02), Municipal (01), São Jorge (04), Arapuã (04), Rural (01), Jacb (01), Uniamérica (01) e Oiti (01).

Mais 18 pessoas foram recuperadas da doença e liberadas do isolamento domiciliar. Atualmente Jales tem 3.666 curados.
 
Lamentamos informar o 110º óbito em decorrência da Covid em nosso município. Faleceu na manhã de ontem, dia 23, uma mulher de 52 anos que estava hospitalizada na Santa Casa de Jales.

Trata-se de Maria Lopes, moradora do Conjunto Habitacional Honório Amadeu que recebeu o carinho dos amigos:

 

Uma guerra chamada COVID

Ainda fico indignado com certas coisas que vejo e ouço. Me incomoda quando vejo algumas pessoas tratando a pandemia que vivemos como se fosse política.

Infelizmente, no ano de 2020 perdi inúmeras pessoas amigas para a COVID. Inúmeras histórias nos marcaram, de famílias dilaceradas por um inimigo invisível.

Confesso que a sensação que tenho em diversos momentos é a de que a qualquer instante uma bomba irá explodir ao meu lado, como se estivesse em um campo minado.

No dia 02/02/2021, depois de dias recebendo notícias e acompanhando todo o processo, o telefone toca no final da noite, era a Maria, com a notícia de que o João, seu pai, era mais uma vítima fatal da COVID. A Iracy, esposa do João, também estava internada em Rio Preto, em tratamento de COVID. A

Maria Lopes Eder

estava sozinha em casa e o Éder, seu esposo na UPA, pois não passara bem.

Me dirigi a casa da Maria e de lá segui para tomar algumas providências, dentre elas, reconhecer o corpo do João e ser o único a tê-lo visto pela última vez. Enquanto aguardava o preenchimento da declaração de óbito, ouço o telefone tocar e, fico sabendo que uma vaga acaba de ser disponibilizada para internação do Éder.

No outro dia, às 10h, sem velório, sem despedida, o corpo do João é sepultado. Do carro, sem poder descer, pelo momento vivido e suas condições físicas, Maria assiste a urna com o corpo de seu pai descer a sepultura.

Poucos dias depois Iracy recebe alta e volta pra casa. O Éder continua internado e Maria se esforça para ajudar a mãe nesse tempo, tendo em vista a limitação de ambas.

O quadro do Éder se agrava e precisa ser intubado. A Maria que falava com ele todos os dias, fica privada de apenas receber notícias de seu quadro. Os dias passam e a Maria também precisou ser internada. Saiu de casa confiante, como tantas outras pessoas, mas seu quadro se agravou rapidamente.

Nove dias se passaram da internação e a notícia mais difícil pra uma mãe receber, chega, "Maria veio a óbito".

Lá vamos novamente tomar as providências necessárias e, após 21 dias da morte do pai, ver a filha ser sepultada ao seu lado.

O quadro do Éder ainda inspira muito cuidado e precisa de muita oração.

Em 21 dias pai e filha foram tirados de uma família. É uma dor insuportável e angustiante, principalmente ao ver as lágrimas que correm pelo rosto da mãe e esposa que ficou.

Sabemos que o Deus de toda consolação dará a Iracy toda força que ela precisa, mas também sabemos que essa marca estará pra sempre em seu coração.

O João partiu aos 85 anos de idade, tendo trabalhado até o último dia antes de sua internação. Um homem sereno, cheio de fé e dedicado a Deus. Pai e esposo exemplar e, um amigo sem igual.

A Maria partiu aos 52 anos, tendo lutado toda a vida para vencer uma severa diabete. Fez todo tipo de tratamento, investiu o que tinha e não tinha, tanto ela, como os pais para encontrar a cura. Amputou as duas pernas, conseguiu as próteses e lutou até o final. Tinha sonhos, planos e almejava ir muito mais longe. Era de um coração bom e sempre pronta a servir e ajudar. Amiga de todos e de uma história que nos inspira.

Vivi e vivo toda esta história. E só Deus sabe a dor que nos acomete, mas sei que o adeus de hoje é um até breve para aqueles que crêem em Jesus Cristo e aguardam a vida eterna, afinal, nem morte, nem vida, poderão nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus.

Não brinque com esse vírus. Não seja irresponsável. Há dores que jamais terão bálsamo suficiente para curar. Estamos em uma guerra invisível.

 


Mais notícias sobre Cidades

Cidades

Prefeitura inicia projeto de limpeza nas saídas da cidade

A Prefeitura de Jales, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária,...


Cidades

Carreta do Hospital de Amor chega a Urânia

O município de Urânia recebe a partir de hoje, segunda-feira, 19, a Unidade...


Cidades

Capitão da Polícia Militar se recusa a usar máscara em abordagem e recebe multa de R$ 300

Um capitão da Polícia Militar foi multado em R$ 300 após se recusar a usar...

Cidades

Ranking elege as 100 melhores cidades do Brasil para morar em 2021

O “Índice de Desafios da Gestão Municipal”,...