Direito

Jales - Ministério Público pede prisão de donos de Cartório e Justiça concede.

Na data de hoje o   juiz da 5ª Vara de Jales, Adílson Vagner Ballotti, proferiu sentença condenando-os ao regime inicial fechado.

Jales - Ministério Público pede prisão de donos de Cartório e Justiça concede.

 

O Ministério Público de Jales, pediu a prisão dos envolvidos em apropriação indébita ( Gerci Marinelli Fernandes, e do Oficial Substituto, Flávio Willians Fernandes)

Na data de hoje o  juiz da 5ª Vara de Jales, Adílson Vagner Ballotti, proferiu sentença condenando-os ao regime incicial fechado.

De acordo com o que alegou o Ministério Público, eles teriam se apropriado de R$ 906 mil que deveriam ter sido recolhidos a título de emolumentos ao Estado, Carteira de Previdência, Santas Casas e Fundo do Registro Civil. Segundo fontes seguras, o valor se refere apenas ao ano de 2014.

Ainda de acordo com o MP, a ex-titular do Cartório não possui bens em seu nome, enquanto o Oficial Substituto estaria “tentando alienar seus bens imóveis com o intuito de elidir futura responsabilização civil, criminal e/ou tributária”. Por conta disso, o MP solicitou a concessão de liminar para indisponibilidade dos bens, que foi deferida pela Justiça.

Segundo a decisão do magistrado, a Oficial confessou em documento encaminhado ao juiz corregedor dos cartórios da comarca, Eduardo Henrique de Moraes Nogueira, que realmente deixou de recolher – ou recolheu a menor – os valores já citados, fato que foi comprovado, também, em apuração preliminar efetuada por dois interventores.

Além disso, completa o juiz Adílson Vagner Ballotti, “encontra-se evidenciado o fundado receio de dilapidação do patrimônio, de modo que impõe-se o deferimento da medida cautelar, preservando-se bens suficientes a garantir eventual ressarcimento do prejuízo causado”.

Decisão

Posto isto, julgo PROCEDENTE a pretensão punitiva do Estado, e o faço para: 1) CONDENAR a ré GERCI MARINELLI FERNANDES,  à pena de 04 (quatro) anos, 05 (cinco) meses e 10 (dez) dias de reclusão, por incursa no artigo 312, caput, c.c. Artigos 29, e artigo 327, todos do Código Penal, na forma do artigo 71 do Código Penal, e artigo 12, incisos I, III e IV, da Lei Estadual nº 11.331/2002, e artigo 3º da Lei Estadual nº 11.021/2001 (em relação ao crime de peculato em continuidade delitiva pela ausência de recolhimento de emolumentos semanal); 2) CONDENAR a ré GERCI MARINELLI FERNANDES,  à pena de 04 (quatro) anos, 05 (cinco) meses e 10 (dez) dias de reclusão, por incursa no artigo 312, caput, c.c. Artigos 29, e 327, todos do Código Penal, na forma do artigo 71 do Código Penal, e artigo 12, II, da Lei Estadual nº 11.331/2002 (em relação ao crime de peculato em continuidade delitiva pela ausência de recolhimento de emolumentos mensal).

As penas para a ré GERCI MARINELLI FERNANDES, descritas nos itens 1 e 2 devem ser somadas, perfazendo assim 8 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão, a ser cumprida no regime inicial FECHADO e 44 dias-multa, estabelecido o valor do dia-multa em cinco trigésimos do salário mínimo vigente ao tempo do fato.

3) CONDENAR o réu FLÁVIO WILLIANS FERNANDES,  à pena de 06 (seis) anos e 08 (oito) meses de reclusão, por incurso no artigo no artigo 312, caput, c.c. Artigos 29, e artigo 327, todos do Código Penal, na forma do artigo 71 do Código Penal, e artigo 12, incisos I, III e IV, da Lei Estadual nº 11.331/2002, e artigo 3º da Lei Estadual nº 11.021/2001 (em relação ao crime de peculato em continuidade delitiva pela ausência de recolhimento de emolumentos semanal);

4) CONDENAR o réu FLÁVIO WILLIANS FERNANDES,  à pena de 06 (seis) anos e 08 (oito) meses de reclusão, por incurso no artigo 312, caput, c.c. Artigos 29, e 327, todos do Código Penal, na forma do artigo 71 do Código Penal, e artigo 12, II, da Lei Estadual nº 11.331/2002 (em relação ao crime de peculato em continuidade delitiva pela ausência de recolhimento de emolumentos mensal).

As penas para o réu FLÁVIO WILLIANS FERNANDES, descritas nos itens 3 e 4 devem ser somadas, perfazendo assim 13 anos e 4 meses de reclusão, a ser cumprida no regime inicial FECHADO e 66 dias-multa, estabelecido o valor do dia-multa em cinco trigésimos do salário mínimo vigente ao tempo do fato. Poderão os réus recorrer em liberdade.

Outrossim, deixo de decretar a perda dos bens dos acusados por entender não ser esta a seara processual mais adequada ao caso, mormente porque já há bens constritos na medida cautelar nº 1007426-72.2016.8.26.0297.

Ademais, eventual ressarcimento ao erário já está sendo buscado em ação civil pública (1000193-19.2019.8.26.0297 em trâmite perante a 4ª Vara desta comarca).

Oficie-se ao referido juízo encaminhando cópia desta sentença para conhecimento.

De resto, deixo de decretar a perda do cargo (art. 92, inciso I, do Código Penal) ante a notícia de que a ré GERCI foi punida pela egrégia Corregedoria Geral de Justiça desta Corte com a pena de perda da delegação, bem como ante a informação de desligamento do réu FLAVIO da serventia extrajudicial.

Cabe recurso

 


Mais notícias sobre Direito

Direito

Ação de danos causados por agente público deve ser proposta contra órgão responsável, decide STF

O plenário do STF decidiu que a ação de danos causados a terceiros por...


Direito

PROMOTORIA FIRMA TAC PARA PROTEÇÃO DE JOVENS COM MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM JALES

Por meio da Promotoria de Justiça da Infância e Juventude local, o...


Direito

HOMEM QUE TENTOU MATAR COMPANHEIRA EM DIRCE REIS É CONDENADO A QUATRO ANOS DE RECLUSÃO

O Tribunal do Júri de Jales, presidido pela juíza Maria Paula Branquinho Pini,...