Geral

Jales - Homem que afirma ter Criminoso na Prefeitura de Jales sem provas, responde a processos

O prefeito de Jales, determinou ao Jurídico que tomem todas as providências cabíveis, para apurar os fatos de vídeos e afirmações compartilhadas em Jales, para que os evolvidos esclareçam e apontem quem é o Advogado Criminoso que está dentro da Prefeitura de Jales ?

Jales - Homem que afirma ter Criminoso na Prefeitura de Jales sem provas, responde a processos

Indicado por Bolsonaro à CEAGESP, Mello Araújo, ex-comandante da Rota, aprece em vídeos afirmando que na Prefeitura de Jales, existe um Advogado Criminoso.

Como bom Bolsonarista, segue a linha de seu Patrão Bolsonaro que acusa, faz vídeos, diz ter provas de tudo, mas nunca se prova nada !

Os vídeo foram compartilhados pelo Provedor da Santa Casa de Jales, Toshiro Sakashita, outro Bolsonarista fanático, recentemente a Lei de Fake News foi aprovada e considera Crime espalhar ou compartilhar notícias falsas, o tal Comandante "afirma que um Advogado Especialista em juntar dinherio, trabalha na Prefeitura de Jales ".

O prefeito de Jales, determinou ao Jurídico que tomem todas as providências cabíveis, para apurar os fatos de vídeos e afirmações compartilhadas em Jales, para que os evolvidos esclareçam e apontem quem é o Advogado Criminoso que está dentro da Prefeitura de Jales ?

Recentemente a Justiça também decidiu em alguns casos, que é possível o Dano Moral contra pessoas Jurídicas (Administrações Públicas)

Mas o o tal ex-comandante da Rota colocado por Bolsonaro já começou a ter problemas também como um bom Bolsonarista, ele já responde Processos e é investigado pelo Ministério Público Estadual, por praticar vários crimes, entre eles ameaça, coação entre outros.

Confira a reportagem do Yahoo ! (Carta Capital)

Indicado por Bolsonaro, presidente da Ceagesp é denunciado por humihar funcionários

  • O presidente da Ceagesp foi denunciado ao MP sob acusação de coagir e ameaçar funcionários

  • Segundo denúncia, dois ex-funcionários alegam terem sido obrigados a assinar um pedido de demissão

  • Mello Araújo, ex-comandante da Rota, foi nomeado presidente da Ceagesp por Jair Bolsonaro

O presidente da Ceagesp, Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, foi denunciado ao MP-SP (Ministério Público de São Paulo) sob acusação de praticar coação, humilhação e violência contra funcionários da central de abastecimento paulista.

Segundo reportagem da revista CartaCapital, Mello Araújo, que é ex-comandante da Rota, forçou o engenheiro Fábio Rogério Carbonieri e o técnico operacional Paulo Cesar Xavier a assinarem um pedido de demissão. Eles foram conduzidos por militares armados à sala do coronel que hoje chefia o órgão. No trajeto, proibidos de usar celulares, eles ouviram ofensas, xingamentos e ameaças.

"Cheguei para trabalhar e meu gerente e mais dois policiais falaram eu estaria furtando energia elétrica e que nove pessoas tinham me denunciando. Fui levado para a sala da Presidência para eu assinar, sob ameaças, a minha demissão. Por medo, eu assinei. Eles disseram que, se eu não assinasse, sairia preso da Ceagesp", disse Carbonieri à publicação. "Eu pedi para ler as provas que eles diziam ter, mas me disseram que como era denuncia não precisava", acrescentou o engenheiro, que trabalhava há 23 anos no local.

"Eu fui obrigado a assinar a demissão. A justificativa que eles deram é que fui reconhecido por um permissionário como responsável por uma ligação [elétrica] indevida", contou Xavier, que estava na Ceagesp há 16 anos.

No dia 18 de abril, em um domingo, teve uma equipe que trabalhou próximo a esse permissionário e mudou a iluminação do pavilhão para o sistema automático. No dia seguinte, após o permissionário ficar sem energia, eu e um outro eletricista constatamos que havia sido feita uma instalação errônea e minha obrigação foi restabelecer a energia. Daí o gerente me disse que [a energia] não deveria ter sido religada. Ele também me disse que eu deveria resolver a situação 'porque eu tinha família' e 'se eu não resolvesse por bem seria resolvido por mal, pois eu sairia de camburão'", afirmou.

Xavier classificou a situação como "humilhante" ao lembrar que tentou explicar o ocorrido à mulher por telefone: "Eu liguei para a minha esposa para tentar explicar a situação e eles pressionando para que eu desligasse. Ela ouviu tudo. O policial catou o telefone e disse à minha esposa que eu pediria demissão. Depois, dois policiais me acompanharam até à porta do RH [Recursos Humanos]. Chegando lá, as duas responsáveis perguntaram o que havia acontecido e eu disse que estava sendo acusado por algo que não havia cometido. Eu comecei a chorar e elas me ditaram o que eu tinha que escrever. Assinei [a demissão] tremendo feito uma vara verde".

Segundo a CartaCapital, além da denúncia ao MP-SP, o Sindicato dos Empregados em Centrais de Abastecimento de Alimentos de São Paulo (Sindbast), levou o caso ao Secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, general João Camilo Pires de Campos, ao senador Humberto Costa (PT-PE), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Casa, ao senador Paulo Paim (PT-RS), membro da Comissão de Assuntos Sociais, e ao deputado federal Afonso Motta (PDT-RS), que é presidente da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público.

Além das ameaças, o sindicado alega que Mello Araújo "aparelhou" a Ceagesp com a presença de policiais da ativa e da reserva no ambiente. Os padrões militares foram adotados na central de abastecimento desde que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em outubro de 2020, nomeou o ex-comandante da Rota como presidente da estatal.

"Trouxeram para a empresa a prática de combate ao crime das ruas, mas nenhuma expertise no tocante à administração de abastecimento de alimentos", diz o ofício encaminhado ao secretário de Segurança Pública do estado. "Passaram a tratar os funcionários como se estivessem em um quartel, estabelecendo, por exemplo, em vez da relação de tarefas a serem cumpridas durante um dia de trabalho, a chamada 'ordem do dia', uma prática da caserna", completa.

Procurada, a Ceagesp disse sobre o caso que recebeu "uma denúncia de furto de energia". “De acordo com a denúncia apresentada à Diretoria, a energia elétrica estaria sendo fornecida para pessoas que nem poderiam usar esse serviço, pois são ambulantes. A empresa, em nota à CartaCapital, afirmou que "diante da situação, dois, dos três funcionários envolvidos, pediram demissão e o outro está respondendo procedimento administrativo sobre esse fato".

 

 



RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP!
Receba gratuitamente uma seleção com as principais notícias do dia.

Mais notícias sobre Geral

Geral

Aprovado PL que autoriza IPVA zero a motos de até 170 cilindradas

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (6) um projeto de resolução...


Geral

Walter Casagrande deixa a Rede Globo após 25 anos: 'Um alívio para os dois lados'

Walter Casagrande Júnior está de saída da Rede Globo. O ex-jogador de 59...


Geral

Alesp reduz tempo de resposta ao cidadão em 79%, mesmo com aumento da demanda

Com a adoção de modernas práticas de governança e gestão, a...

Geral

Após um ano de uso de câmeras em uniformes, mortes por policiais caem 80%

As mortes cometidas por policiais militares despencaram em 19 dos 131 batalhões do estado...