Direito

Homem acusado de matar a mulher após ela se recusar a dar dinheiro para comprar drogas foi a júri nesta quinta-feira

Breno Henrique Pereira Leal assassinou e escondeu o corpo de Aline Gonzales da Silva em um canavial, no dia 7 de julho de 2020, em Fernandópolis (SP).

Homem acusado de matar a mulher após ela se recusar a dar dinheiro para comprar drogas foi a júri nesta quinta-feira

O júri popular do homem acusado de matar a companheira asfixiada foi realizado nesta quinta-feira (12), em Fernandópolis, interior de São Paulo. O júri popular foi realizado ontem a partir das 13h30, no Fórum da cidade.

De acordo com o Ministério Público (MP), Breno Henrique Pereira Leal assassinou Aline Gonzales da Silva no dia 7 de julho de 2020, após recusa dela em dar dinheiro para que ele comprasse drogas.

O réu fugiu para São José do Rio Preto (SP) depois de abandonar o corpo da mulher em um canavial, mas foi encontrado chorando e confessou o crime à Polícia Militar.

Segundo o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), Bruno Leal foi denunciado por cárcere privado, feminicídio e ocultação de cadáver.

 

Crime em 2020

 

Bruno e Aline conviviam em união estável havia cerca de oito anos e tinham um filho em comum. Consta na denúncia que, no dia 7 de julho de 2020, o réu trancou a companheira em um quarto após pedir dinheiro para comprar droga e receber resposta negativa.



RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP!
Receba gratuitamente uma seleção com as principais notícias do dia.

Mais notícias sobre Direito

Direito

Paranapuã - Mulher tentou contra própria vida, perde ação contra Jornalista pela segunda vez e terá que pagar mais de 4 mil reais

Bom coloquei minha foto ai por que já sou figurinha carimbada, o fato na verdade me...


Direito

Justiça condena investigados e determina o pagamento de R$18,5 milhões relativos à multa e valores desviados da Prefeitura de Jales/SP.

Sentença proferida pela juíza da 2ª Cara Cível de Justiça de...

Direito

Ouroeste - Advocacia predatória: Advogado indenizará banco em R$ 30 mil

Advogado que agiu de forma fraudulenta terá de indenizar banco em R$ 30 mil por danos...