Direito

Ex-Prefeito Guedes de Pontalinda é absolvido em Ação por Improbidade Administrativa

O juízo de primeiro grau julgou a ação improcedente, à consideração de que, embora juridicamente incorreta a conduta do então prefeito, à luz do entendimento ora consolidado no Supremo Tribunal Federal, não se pode considerá-la ímproba.

Ex-Prefeito Guedes de Pontalinda é absolvido em Ação por Improbidade Administrativa

Cuida-se de ação civil por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Estadual em face de Guedes Marques Cardoso, na qual o autor afirma que o requerido, na condição de Prefeito Municipal de Pontalinda, deixou de nomear o primeiro colocado, Leandro Utiyama, no Concurso Público nº 01/2009, destinado ao provimento do cargo de Procurador do Município, omissão que, no entender do autor, configura ato de improbidade administrativa.

Narra o requerente, ainda, que o candidato aprovado moveu ação de indenização, julgada procedente para condenar a Municipalidade ao pagamento de R$ 28.000,00, a título de reparação de danos morais, além de honorários advocatícios da ordem de R$ 2000,00.

À vista disto, sustenta o Ministério Público que o requerido praticou ato de improbidade administrativa descrito na norma do artigo 10, VIIII, ou, subsidiariamente, aquele previsto na regra do artigo 11, I e V, ambos da Lei Federal nº 8.429/92, pelo que requer o julgamento de procedência da ação civil, com a condenação nas sanções previstas na regra do artigo 12 da referida Lei Federal.

O juízo de primeiro grau julgou a ação improcedente, à consideração de que, embora juridicamente incorreta a conduta do então prefeito, à luz do entendimento ora consolidado no Supremo Tribunal Federal, não se pode considerá-la ímproba, pois até pouco tempo a questão não se pacificara na jurisprudência, havendo quem sustentasse, na linha de sólido entendimento doutrinário, que a aprovação em concurso público gerava mera expectativa de direito (fls. 571 a 575).

Em apelação, o autor, repetindo a argumentação inicial, busca a reforma da r. sentença, com julgamento de procedência da ação (fls. 585 a 603).

O requerido apresentou contrarrazões, nas quais pugna pela manutenção da r. sentença (fls. 609 a 621).

A Douta Procuradoria de Justiça, no parecer de fls. 631 a 634, opina pelo provimento do recurso. A E. Turma Especial de Direito Público conheceu do conflito suscitado pela E. 11ª Câmara de Direito Público para declarar a competência desta E. 7ª Câmara, não obstante a causa de pedir remota fosse a suposta omissão da Municipalidade, durante o prazo de validade do concurso, na nomeação do primeiro colocado, questão cujo deslinde coube à E. 11ª Câmara de Direito Público (fls. 650 a 657).

É o relatório

Ocorre o que só fato da existência de polêmica acerca do tema, que grassava inclusive nos tribunais superiores, conspira, no presente caso, contra a tese da configuração do elemento subjetivo (dolo ou culpa), necessário à tipificação do ato de improbidade administrativa.

É certo que o Ministério Público argumenta com desvio de finalidade, dizendo que o prefeito buscava, com sua omissão, favorecer servidora que faria parte do círculo de suas relações sociais.

Ocorre que nenhuma prova foi produzida nesse sentindo, não se desincumbindo o autor do ônus previsto na regra do artigo 371, I, do Código de Processo Civil.

Neste contexto, é bem de ver que, silenciando a respeito a inicial, somente na réplica e nas razões de apelação, a alegada relação de parentesco entre o prefeito e a servidora comissionada veio à baila. Mais ainda, como já se adiantou, alegar e não provar é o mesmo que não alegar, já diziam os jurisconsultos romanos.

De mais a mais – como também já se disse –, diante da dúvida razoável quanto ao tratamento que se deu ao tema, ausente se mostra o elemento subjetivo, razão por que se trata de manter a r. sentença.

Nestes termos, nego provimento ao recurso.

Para fins de acesso aos Egrégios Tribunais Superiores, ficam expressamente pré-questionados todos os artigos legais e constitucionais mencionados pelos litigantes.

LUIZ SERGIO FERNANDES DE SOUZA

Relator

Confira o Acórdão


RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP!
Receba gratuitamente uma seleção com as principais notícias do dia.


Mais notícias sobre Direito

Direito

Acusados de tráfico são soltos após invasão policial no domicílio

Um paciente acusado de tráfico e a corré deverão ser soltos após...


Direito

STJ tranca ação penal de furto de steak de 4 reais: "Situação absurda"

A 6ª turma do STJ trancou ação penal em que o paciente foi condenado por...


Direito

Ministro do STJ solta mãe que furtou R$ 21 em miojo, coca e suco

Com base no princípio da insignificância, o ministro do STJ Joel Ilan Paciornik...

Direito

EXCLUSIVO - Advogado Clayton Colavite é absolvido por Crime de Homicídio contra o pecuarista Padula

Depois de horas de Julgamentos no Fórum de Jales, o Advogado Clayton Colavite, foi...