Geral

Delírio tropical

Jair Bolsonaro, acompanhado da família e de amigos, resolve decretar para si próprio feriado de carnaval.

Delírio tropical

Enquanto os brasileiros sofrem com a falta de vacina, com a crise na economia que aumenta o número de desempregados e de pessoas que passam fome, o presidente Jair Bolsonaro, acompanhado da família e de amigos, resolve decretar para si próprio feriado de carnaval.

Eles curtiram adoidados nas praias do litoral catarinense

Os versos da música são ótimos, estão em todos os carnavais, mas verso é verso, não dá para ninguém, muito menos para um presidente da República, viver na base do “deixa a vida me levar, vida leva eu”. Há, no entanto, uma exceção que infelizmente encarnou na figura que nos governa: o capitão Jair Messias Bolsonaro. Enquanto os brasileiros sofrem as agruras de tempos difíceis em quase todos os departamentos da vida, o capitão, esteja ele aboletado ou não em um barco, iate ou coisa que o valha, demonstra que o seu destino vai, literalmente, de vento em popa. E ele não sente o menor constrangimento em rir e mergulhar, enquanto o País padece, imerso que está, em uma crise sanitária e econômica que parece não ter fim – daquelas que não adianta virar Santo Antonio de ponta cabeça, não adianta colocar São Judas Tadeu olhando para a parede, não adianta trocar santos de lugar dentro de casa ou nas paróquias.

MERGULHO Bolsonaro no mar: quem está com a água no pescoço é o povo brasileiro (Crédito:Divulgação)

Já que falamos em vento e em popa, que lembra água, cabe assinalar que também não resolvem oferendas à rainha do mar. O presidente ri, e ri feito o protagonista do filme “O homem que ri”, de 1928, inspirado em livro homônimo do escritor francês Victor Hugo, verdadeiro criador do personagem Coringa, em meados do século 19. Ah, não se pode esquecer: os três ou sete pulinhos dados nas ondas igualmente não estão solucionando nada para a esmagadora maioria da população. Parece que estamos, aqui, brincando — mas não estamos não, é só para desanuviar um pouco. A coisa é séria! Vale a fé! Iemanjá é mãe, mas tudo fica muito difícil com Bolsonaro.

O capitão não possui o menor sentimento de empatia em relação aos brasileiros, e isso é grave: basta ele consultar o seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Os quase duzentos e cinquenta mil mortos pela Convid-19 sabem que o general é expert em medicina — e põe esperteza nisso. Ele poderá dizer qual é o transtorno de personalidade que caracteriza Bolsonaro. A inanição do governo em conter o avanço da pandemia provoca um efeito cascata que se espraia pelos mais diversos setores. O primeiro é nessa própria área: éramos respeitados, havia mais de um século, em todo o mundo pela excelência do serviço público de vacinação. Bolsonaro zerou tudo. Mas, para ele, seus familiares e aduladores mais próximos, as coisas vão bem. Apesar de o carnaval ter sido cancelado devido à pandemia, o presidente aproveitou e fez seu bloco particular, inventou folga esticada e foi para o litoral de Santa Catarina curtir as mordomias ofertadas pelos militares que administram o Forte Marechal Luz, colônia de férias do Exército, na cidade de São Francisco do Sul. O que importa se a economia está cada vez mais anêmica, com quatorze milhões de desempregados desesperados? O que importa se uma multidão de trabalhadores informais passam fome? Claro que é sabido que no País fenece cada vez mais a democracia social, até porque ela nunca existiu em nosso chão, mas o fosso que se dá entre a realidade social e antropológica brasileira e o comportamento do mandatário é algo que nunca nos foi tão marcante. Enquanto tantos e tantos estômagos têm dor de fome, enquanto tantos e tantos enfermos aguardam vagas em UTIs, enquanto cresce o número de cidades carentes de aparelhos de oxigênio, ele se diverte.

COTIDIANO Todo dia ele faz tudo sempre igual: sem máscara e aglomerado

 1 de 3 COTIDIANO Todo dia ele faz tudo sempre igual: sem máscara e aglomerado

Foto: DIETER GROSS

PILOTO Bolsonaro comanda Jet Ski: já o Brasil está à deriva

 2 de 3 PILOTO Bolsonaro comanda Jet Ski: já o Brasil está à deriva

Foto: Divulgação

CARTILHA Seguindo à risca os passos do pai: Eduardo surfa a onda do descaso

 3 de 3 CARTILHA Seguindo à risca os passos do pai: Eduardo surfa a onda do descaso

Foto: Divulgação

 

 

 


Mais notícias sobre Geral

Geral

Estado de SP terá restrição entre 23h e 5h até 14 de março

O governador João Doria anunciou nesta quarta-feira (24) que a circulação...


Geral

Doria planeja anunciar lockdown das 22h às 05h em todo o Estado

Em meio ao avanço da Covid-19, São Paulo deve ter lockdown noturno, das 22h...


Geral

O tiro defensivo e o tiro de advertência no contexto do uso progressivo da força e da preservação da vida

INTRODUÇÃO   Diante da onda politicamente...

Geral

Conselho de Ética da Câmara instaura processo contra Silveira

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados instaurou nesta terça-feira (23)...