Cidades

Copasa responde por água imprópria para consumo, decide TJMG

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) terá de indenizar consumidora em R$ 4 mil

Copasa responde por água imprópria para consumo, decide TJMG

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) foi condenada a pagar R$ 4 mil a uma cidadã por danos morais. A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve decisão da 1ª Vara Cível da comarca de Pedra Azul.

A cliente ajuizou ação contra a Copasa devido ao estado impróprio da água fornecida. Segundo a mulher, o odor, a cor e o cheiro do produto eram incompatíveis com o da água tratada.

A companhia, em sua defesa, alegou que a água estava de acordo com a portaria que regulamenta a distribuição. Além disso, argumentou que, por causa da estiagem, o líquido disponível acumula matéria orgânica. Por fim, a empresa argumentou que a consumidora não teve prejuízo em sua saúde.

Como o juiz não acolheu esse argumento e estipulou o valor da indenização, a Copasa ajuizou recurso no Tribunal.

O relator do pedido, desembargador Dárcio Lopardi Mendes, fundamentou que o Estado deve ser penalizado quando precisa agir e o faz de forma negligente ou deficiente. O magistrado considerou que, no caso dos autos, o dano causado à requerente restou claramente demonstrado.

De acordo com o magistrado, a administração pública, em sua atividade, deve zelar pela segurança e pela proteção dos cidadãos, prestando os serviços de forma a preservar a saúde e a integridade deles.

“Incumbe à Copasa o cuidado para que a água a ser consumida pelos usuários chegue às suas residências em condições de salubridade, sendo óbvio que, para isso, deve cuidar da observância das etapas de tratamento”, pontuou.

Segundo o relator, que foi seguido pelos desembargadores Ana Paula Caixeta e Renato Dresch, a atividade administrativa suscita nos administrados a confiança de que o gestor público está cuidando de seus interesse e de sua saúde.

“O cidadão, normalmente, não espera que, ao retirar água do filtro, ou, ao tomar um banho, esteja tendo contato com água contaminada com matéria orgânica, esgoto urbano, agrotóxico e lixo, pois tal situação é, no mínimo, ignóbil”, concluiu.

Ele acrescentou que a negligência se manifestou na falta de cuidado para o tratamento da água a ser destinada à população, “ainda que se argumente que a qualidade da água não sofreu alteração, de modo a causar doenças”.


Mais notícias sobre Cidades

Cidades

Confira as imagens do Primeiro dia de Carnaval em Palmeira D'Oeste

Ontem tivemos uma linda festa e cheia de folia! Comandada pela banda AxéKéBom e Dj...


Cidades

Votuporanga - Tentativa de roubo de joia deixa jovem com rosto fraturado

Um jovem de 21 anos, morador de Jardim-MS, ficou gravemente ferido na madrugada de hoje (23)...


Cidades

Moradores de Dolcinópolis se envolvem em acidente em Iturama

Três pessoas da mesma família ficaram feridos se envolverem em um acidente...

Cidades

JALES - CONSIRJ RESCINDE CONTRATO COM POSTO DE COMBUSTÍVEIS DE TIAGO ABRA

A primeira: o Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região de Jales –...