Direito

Claro indenizará consumidor que teve chip clonado e contas do Mercado Livre e Facebook invadidas

Justiça de SP garantiu danos morais e materiais.

Claro indenizará consumidor que teve chip clonado e contas do Mercado Livre e Facebook invadidas

A Justiça de SP condenou a operadora de telefonia Claro a indenizar, por danos materiais e morais, consumidor que teve o chip de celular clonado e, com isso, foi alvo de estelionatários.

O autor contou que com a clonagem do chip de seu celular terceiros acessaram o seu perfil de usuário no site Mercado Livre e transferiram valores ali existentes, além de terem acessado o seu perfil no Facebook.

Aplicando ao caso as disposições do CDC, a magistrada Roseleine Belver dos Santos Ricci consignou que os elementos dos autos indicam a ocorrência de fraude com a clonagem do chip de celular fornecido pela requerida.

"O risco da atividade deve ser suportado pelos fornecedores, não podendo ser repassado ao consumidor, tratando-se de responsabilidade objetiva, uma vez que os fornecedores, que se beneficiam com o lucro decorrente de sua atividade, devem arcar, também, com os riscos e eventuais prejuízos dela decorrentes, independentemente de culpa, decorrente do risco-proveito."

De acordo com Roseleine Ricci, em que pese a imputação dos fatos ocorridos a terceiros estelionatários ou até a clonagem do chip telefônico, cabe à operadora o fornecimento de serviços seguros, capaz de afastar supostas fraudes.

"A conclusão inevitável é de que a requerida falhou quanto aos serviços prestados e permitiu a ação fraudulenta de terceiro, possibilitando que o estelionatário se valesse do celular clonado do autor, a fim de praticar golpe."

 

 

Desvio produtivo do consumidor

Entendendo que o golpe dos estelionatários causou "incertezas, frustrações e transtornos", além de obrigar o consumidor a fazer uma série de diligências (como registrar boletim de ocorrência), a magistrada concluiu que a situação foi mais do que um mero aborrecimento, ensejando a reparação por danos morais.

"Além disso, devidamente caracterizado o desvio produtivo do consumidor, diante da situação de mau atendimento, exigindo que a parte autora desperdiçasse o seu tempo e desviasse as suas competências de uma atividade necessária para tentar resolver um problema criado pelo fornecedor, a um custo de oportunidade indesejado, de natureza irrecuperável."

A indenização por danos morais fixada na sentença foi de R$ 5 mil; por danos materiais, referente ao valor das transações ilícitas, R$ 8.090.

A advogada Danielle Godoi patrocinou a causa pelo consumidor.

Veja a decisão.


Mais notícias sobre Direito

Direito

Após ação do MPF, Justiça reforça proibição ao uso de buzina por trens durante a madrugada em Jales (SP)

A Justiça Federal proibiu o acionamento injustificado de buzinas por locomotivas que...


Direito

JALESENSE É ESCOLHIDO PARA A VICE-PRESIDÊNCIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO MATO GROSSO DO SUL

Em sessão realizada ontem, quarta-feira (21/10), os desembargadores de Mato Grosso do Sul...


Direito

Jales - "Farra do Tesouro 1" - Bens da Ex-Tesoureira Érica, devem ir à Leilão em Fevereiro de 2021

A Justiça dizem que tarda mas não falha, os Bens da nossa

Direito

Cidades da região de Rio Preto podem perder verba por falta de transparência

Prefeituras de sete municípios da região ainda não assinaram um termo de...